17 de fev de 2011

Você DIZ que ama...

"Um antigo e já conhecido morador de rua de um bairro protagonizou junto de sua cadela vira-lata, uma cena que demonstra os extremos dos valores humanos...
O homem, que vive geralmente embriagado, se encontra sempre perambulando pelas ruas locais. De dia, puxa uma carroça-de-papelão, cata lixo para vender e, à noite, dorme sob as maquises que se apresentem mais largas. Sempre com sua fiel companheira sobre o carrinho, devidamente encoleirada e indescritivelmente... limpa.
Então, eis que num dia, a tal vira-lata deu à luz a três filhotes bem robustos, logo de manhã. Percebeu-se o burburinho às voltas da esquina. Eram umas dez pessoas ou mais a cercar não o homem, e sim a recém mamãe canina e sua ninhada.
Mas alguma coisa não estava certa. Além de admiradores, aquele evento fez aflorar naqueles que rodeavam a cena uma preocupação exagerada em relação ao fato dos animais estarem convivendo com um 'homem que muito mal tinha pra si'...
Eram muitos demonstrando indignação, visto que o tal sem-teto não estava disposto à abrir mão dos filhotes e nem -é claro- da cadela. Provavelmente, alguém ali já estava tentando retirá-los de seu convívio 'indigno'...
Em menos de dez minutos uma patrulha da polícia já se encontrava no local, junto do dobro de pessoas de antes. Enquanto os dois policiais encurralavam o homem na calçada, duas mulheres -que aparentavam ser mãe e filha- tentavam se aproximar da cadela que rosnava sentindo a intenção real delas.
Apesar dos olhos inchados da provável ressaca constante em que vivia, era perceptível o semblante daquele homem: a decepção de quem sabe não ter mais direito nem de se dizer dono de um animal de rua... Mesmo que o trate com dignidade muito superior aquela a que dedica a si mesmo.
E a confusão era essa... Enquanto aquele pobre diabo se via coagido a não reagir diante de uma autoridade autoritária -e que não tinha a menor intenção de resolver a questão com lisura- a cadela, dividida, via seu dono acuado de um lado, e seu indefesos filhotes a chorarem de outro.
No meio dos curiosos, poucas pessoas argumentavam contra o ato. Todos muito preocupados com os filhotinhos e com sua mãe que -segundo alguns mal intencionados- vivia maus bocados nas mãos daquele infeliz... Quando mentir é ser cruel...
O ser humano é capaz de tudo em nome do seu imediatismo egoísta -ou seria egoísmo imediato?... Doa a quem doer, sofra quem sofrer... desde que não seja ele mesmo...
Aquele homem vivia sem qualquer atenção dos moradores e das autoridades há mais de dez anos. Apesar do vício do álcool, não pedia nada. Sempre catando lixo e tirando disso seu sustento e também o de sua companheira fiel. Tem gente que mesmo na dificuldade, tem vergonha de pedir... não se sente à vontade. Era o seu caso...
Certa vez lhe pagaram um salgadinho com refresco no boteco, assim que fora flagrado revirando a lata de lixo e tentando lamber um copo de iogurte...
Detalhe: aquele homem não apenas sofria com seus vícios: também tinha alguma deficiência física e mental, mas por conta de não se fazer jamais de vítima, tinha mais caráter e vergonha que eu...
E então, estava ali, sendo encarado como um miserável e incapaz de cuidar de um animal... 'Pior que muito marginal', na visão daqueles que valorizam mais o irracionais que os racionais...
A coisa era tão mal conduzida, que por pouco ele não saiu dali preso. Por conta do que alguns preferem nomear como 'mau-humor matinal truculento' dos dois policiais. Sorte(?) que a turma do deixa-disso entrou em ação... até rindo do fato desnecessário.
Mais dez minutos e o carro de uma clínica veterinária encostou no meio-fio. De dentro saiu um homem dotado com uma haste e assim, conseguiu colocar todos os cães na caçamba do veículo. Alguém ali deve ter chamado o serviço...
O mendigo ainda tentou argumentar e vociferar, mas não adiantou... Levaram seus animais. Os policias entraram em sua viatura como se nada tivesse acontecido e se foram. As pessoas que ali estavam também se dispersaram assim que acabou o show de infelicidades.
O homem então, sentou no canteiro, com os olhos tristes e distantes, visivelmente abatido, mas conformado... mais uma vez, junto de sua solidão de sempre. Sim, HOMEM. Apesar de tudo aquilo, não era ele o ANIMAL..."
...
É fato que temos capacidade de valorizar e aceitar melhor muito mais os animais que nossos semelhantes. Isso quando também não os consideramos nossos semelhantes, com direitos iguais deferidos por conta de sua inocência e inconsciência. E claro: eles não falam a nossa língua, não reclamam falta de atenção, não nos ferem o orgulho... São de convívio infinitamente mais fácil.
Mas e se falassem, se reclamassem e se nos ferissem o orgulho? Seríamos tão seus veneradores assim? Duvido...
Enquanto isso ignoramos totalmente aquele que deve ter prioridade de dignidade... até porquê pensa e sente de forma incomparável frente aos animais... Ou melhor seria assumir apenas o nosso lado instintivo, visto que certas ignorância são bem mais facilmente justificáveis assim?...
Sei que vou levar pedradas pelo fim desse post -como ocorre até hoje com o post relacionado à hipocrisia religiosa e à ignorância frente ao homossexualismo, mas é assim que penso.
Quantas vezes viramos o olhar pra não nos incomodarmos tanto com aquele que se encontrar entregue às moscas nas sarjetas da nossa cidade? Estou falando apenas de OLHAR...
Agora, basta aparecer um filhote abandonado, que o abraçamos e o colocamos no abrigo de nossa casa, no centro do seio da nossa família.
Não vou cometer o extremismo de achar que nós devemos e podemos abrigar estranhos em nossos lares, e que devemos sustentá-los e encará-los como pessoas absolutamente vitimizadas e isentas de qualquer culpa por suas escolhas... Não é isso. O extremo aqui é outro: a nossa capacidade de desmedir e adaptar a necessidade ao que é apenas de nosso interesse...
Enquanto existe um monte de gente esperando uma migalha de atenção até mesmo dentro de nossas casas, preferimos direcionar recursos de todo gênero aos nossos pets... E mesmo que possamos fazê-lo com sobras, mesmo que não deixemos nada a desejar aos nossos: acho exagero e consequentemente, falta de bom senso, enquanto que certos 'mimos' mais sofisticados podem aliviar o sofrimento de algum humano menos afortunado.
O certo é que pagaremos por cada excesso.
Noutro dia ouvi algo como 'Dou tudo do bom e do melhor para o meu animal... Questão social é responsabilidade do governo... Absurdo eu querer abraçar o mundo... Principalmente por quem eu não conheço'...
Que visão deturpada e convenientemente radical!
Mas do homem, é justamente isso que podemos esperar. E que as necessidades do OUTRO homem possam esperar por alguém devidamente responsável, não é mesmo?
Amar a todas as criaturas sim, mas que por vezes esse amor é bastante questionável...
É muito mais fuga que amor...
......
Gosta mesmo de animais?
Se preocupa com os milhões de bichos abandonados que se encontram pelas ruas ou com a quantidade incalculável dos que são comercializados sem qualquer cuidado?
Então arrume um jeito e castre-os, para que não se reproduzam e que suas crias sofram do mesmo abandono.
Leve-os para serem vacinados. Principalmente os alheios.
Não alimente os pombos em áreas residenciais.
Não detenha pássaros engaiolados.
Não alimente o mercado ilegal de animais.
......
Você ama?
Quantos dizem que amam seus animais e até amam mesmo... mas só os seus e nenhum outro além?
Quantos que dizem que amam e que cuidam, mas que no fundo querem apenas um bibelô para seus momentos mais egoístas?
Quantos dizem que amam, mas que se necessário for -por conta de uma mudança ou uma viagem- os põem pra fora de casa sem dó nem piedade?
Quantos amam tanto que simplesmente não aceitam seus filhotes vivos?
Quantos ainda afirmam amar e assim que seus bichos adoecem, os abandonam sem qualquer traço mínimo de consciência?

Nenhum comentário:

Postar um comentário