8 de out de 2014

O mal necessário


Há quem diga que recordar a dor é masoquismo.
Pois digo que dependendo do caso, é artifício pra manter os pés no chão.
Quando me sentindo injustiçado ou já merecedor de coisa melhor, faço questão de reabrir o baú dos meus acometimentos.
Revejo lá as vítimas dos meus desequilíbrios.
Me coloco no lugar de quem sofreu o peso dos meus desvarios, minhas moléstias morais.
Assistindo um e outro -o passado e o presente- percebo a justiça e a lição.
E recobro a razão.
Ganha novo fôlego a resignação.
Dói tanto quanto ontem, como se fosse hoje.
Desperto, volto à minha realidade, à minha necessidade.

4 comentários:

  1. Realmente... Um mal necessário!! Boa reflexão!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por mais sofrida que a conclusão seja, Élida...
      Obrigado mais uma vez.

      Excluir
  2. E eu aqui achando que esse mal era pessoal rsrs também tenho essa mania de relembrar situações, reviver sentimentos... Não sei se isso é bom ou não, mas certamente funciona.
    Beijos rimados pra você :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há exclusividade, querida Vivian... Todos devemos ter o que rever para um dia nos tornarmos verdadeiramente seguros dos nossos atos. Quem não quer estar livre para seguir somente em frente, com segurança?
      Beijo grande!

      Excluir