19 de abr de 2013

Insuperação

Quem vive espalhando por aí que seguiu em frente e que deixou algo pra trás, está quase sempre blefando.
Aliás, quanto mais barulho faz repetindo que superou um fato, mais dificuldade está tendo de dele se livrar.
É que até sua ilusão depende do convencimento -só conseguido pela repetição do que diz- para crer na ilusória superação.
De fato, não esqueceu, e assim, disfarçadamente, muito ainda olha pra trás. No fundo, apenas não assume que lamenta continuar preso ao que não passou, e é por isso mesmo que não consegue seguir. Então, faz que não liga mas liga, finge que segue mas fica.
Não deixa de insistir que "deixou pra trás", não silencia junto às suas ditas "conquistas", justamente porquê parou, porquê ainda traz, porquê nada superou, e logo, nada conquistou. Mas deve sempre passar a imagem que sim.
Quanto mais fala, mais atrai olhares desatentos, mais angaria admiradores superficiais de seus falsos feitos, mais torna sua ilusão sólida. E afinal, quem de fora conseguirá provar que o que existe dentro é diferente do que se expõe?
De certo modo, é impossível comprovar essa realidade sem uma admissão de próprio punho. Aliás, conta-se com essa impossibilidade. Acreditam também na ideia de que o silêncio é mais arriscado, podendo revelar a verdade contrária. E de fato, pra quem valoriza muito a opinião que vem de fora, calar-se pode parecer falta de reação.
Quem supera, quem realmente deixa pra trás, quem segue em frente, vive o presente perseguindo o futuro, e muito raramente visita o passado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário