15 de jan de 2013

Em Legítima Defesa


Saudade a gente deixa morrer à míngua, ao relento, pelas mãos do tempo.
Nem sempre é possível, nem sempre a lembrança deixa, nem sempre é o momento.

(Certas faltas não são um buraco no chão, que se consegue cobrir com entulho qualquer. Quem dera se tudo fosse como se quer!)

Então deixa a poeira das épocas cicatrizar as aberturas do que (tão marcante) passou por nós.
Melhor assim, confiar no presente que o futuro nos trará; pensar no após.

Marcou de fato, mas passou.
A falta é só o vazio que ficou.

Djavan já dizia sabiamente, que se não se mata a saudade, a saudade mata a gente.
Verdade... saudade engole a gente.

Essa saudade da qual falo é tortura.
Que se não eliminar logo vira loucura.

Deixa pra trás, supera... olhando adiante, seguindo em frente.
Afinal, o passado não existe enquanto presente.

Um dia, espera-se, essa saudade passa.
E quem sabe, a gente até ache certa graça?

2 comentários:

  1. "Um dia, espera-se, essa saudade passa.
    E quem sabe, a gente até ache certa graça?"

    Tô nessa fase...
    Na espera de que ela passe.
    Ainda chego lá rs

    Bjo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chega sim, com certeza.
      Pelo menos você já tem uma história interessante pra lembrar. rs
      Beijo, mineira!

      Excluir