1 de jan de 2013

Acampado na sua rotina

Me fiz tão presente, tão próximo...
Que tudo o que pode restar agora é uma imensa falta.
Você assumiu isso dia desses...
Sentiu-se tão à vontade comigo em sua vida, que agora sente-se estranhamente vazia.
Falta algo e isso é tudo o que sabe.
Disse que quando me fui, ficou incompleta.
Sentiu o vácuo, cada segundo, o silêncio, o buraco.
Sentiu o espaço, o tempo, a falta de cor e de perfume.
Sentiu falta até da minha dor e das minhas chatices.
Não foi por maldade, apenas decidi não estar mais por perto.
Não queria mais levar adiante.
E essa sua dependência virou crise de abstinência.
Você já me via como possibilidade de sorrir quando triste.
E quando pressionada, era em mim que se via aliviada, sua válvula de escape.
Mas não estarei mais aí.
Acredito que fiz o melhor pra nós.
Levantei acampamento, parti.
Mas sem querer, me instalei antes em você.
Tema, destemidamente!
...
E quem quiser ser imprescindível para alguém, que se faça essencial.
Sem pressa, com muita paciência e dedicação.
Construa o próprio alicerce no coração invadido.
Acho que foi isso o que aconteceu.

4 comentários:

  1. "...Me fiz tão presente, tão próximo...
    Que tudo o que pode restar agora é uma imensa falta..."
    Mim fiz, e meu pagamento foi a solidão que está aqui agora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, amigo Paulo... também acontece, infelizmente.

      Excluir