30 de dez de 2012

Ao coração da pequena Pietra Bispo


Triste.
Apesar de toda confiança que tenho na vida, de me considerar um sujeito otimista... mas diante da previsão de dor de um coração infantil na falta da família, só me senti triste e nada mais. Não há agora, qualquer remédio que me aplaque o sentimento. É fato. Deixo o tempo digerir pouco a pouco a sensação. É ter paciência e confiança.
A menina Pietra Bispo, de cinco anos, foi a única sobrevivente de um acidente automobilístico, e enquanto à espera de cirurgia na perninha fraturada, não sabia ainda do fato imensuravelmente desde já doloroso pra mim: não teria mais ao alcance do toque, a mãe, o pai e o irmão de três anos. Estava só na unidade de pronto atendimento e sem maiores informações sobre a família, se é que possuía alguém além dos que desencarnaram.
À pequena -que tem a cor mulata da minha sobrinha- só se acalmava quando recebia os carinhos da mãe de um menino, companheiro da sala de pediatria. Com a atitude que só mesmo a dona de um coração materno pode ter, quando perguntada pela menina se voltaria, a moça imediatamente disse que não iria embora -mesmo com o próprio filho já tendo obtido alta médica.
Bendita mãe presente naquele momento e cheia de compaixão pelos filhos alheios! No caso, uma órfã...
A imagem daquela pequena criança no leito, com a perninha enfaixada, o rostinho arranhado, os cabelos crespos presos, o olhar distante... parecia ainda mais desprotegida. Só pude rezar, infelizmente. Por outro lado, felizmente, ainda podia rezar por ela. Rezei, pedi, tentando no meio da prece um alívio pra tamanha angústia que me enlaçava a garganta, que me embaçava as vistas, que me dilacerava o coração.
Que Deus ajude aquela pequena...
Que lhe deem amor imediato.
Que lhe amparem e, de alguma forma, lhe amem ao máximo e o quanto antes.
...
Sei sim, que na vida, tudo tem um explicação justa, conforme justo é quem criou as leis da vida. Que me perdoem os amigos que não acreditam em algo superior, que não compreendem os desígnios de Deus e que por isso, não creem Nele. Não estou aqui em revolta! Não se confundam. De fato, eles não  encontrarão espaço aqui nesta postagem e nem estarei para responder suas contestações limitadas. Não tem nada com revolta, com questionamentos incrédulos e desesperados. Esse texto é sobre a dor que previ no coração de um criança. Dor que talvez doa mais em mim do que nela, na hora da prova. Talvez, quem sabe, a pequena supere todas as expectativas. Espero que sim. Que o otimismo vença, como o bem sempre vence -mesmo que o pessimista não consiga enxergar.
...
E eu continuo cabisbaixo aqui. Tristonho como poucas vezes estive nos últimos tempos.
Pensei tanta coisa pra escrever como último texto do ano, mas o que me toma agora e a imagem daquela negrinha linda, vivendo sem saber, há pouco, um momento tão triste. É porquê é a hora de escrever sobre isso, e nada mais caberia escrever. Por isso tudo tão desleixado. Não importa. É preciso dar vazão à emoção represada pra não morrer sufocado.
...
Tem quem fuja da dor alheia, egoisticamente, fugindo de novas responsabilidades. Tenho certeza de que a dor alheia, quando não é buscada com a intenção insana de detalhar apenas a imagem da lágrima, é ferramenta de aproximação humana, de socialização pelo coração. Quem sente a dor do próximo não esfria, não distancia, não separa. Sofrer junto e é amar. Porquê não basta sofrer: é preciso de algum jeito, agir, ter compaixão.
Como a mãe desconhecida que agora está acariciando o rostinho redondo da pequena Pietra Bispo.

4 comentários:

  1. Olá,bom dia!!!
    Agora, sabemos que a pequena Pietra Bispo, já está sendo amparada pelo abraço e os carinhos de sua avó! Graças a Deus! Estive pensando nela todos estes dias e sentindo uma vontade enorme de estar lá, oferecendo-lhe todo o meu amor e carinho. Mas, apenas podia agradecer a Deus pela presença daquela mulher virtuosa, que a estava a acalentar... Sim, eu compartilho de todos os seus sentimentos em relação a esta menina tão pequena e tão frágil!
    Estou muito orgulhosa de você, suas paalvras expressam a mais pura verdade.
    Um grande abraço e que sejamos sempre sensíveis diante de fatos como este. Caso esteja interessado, poderás me add no msn: linda36aa@hotmail.com
    ou no Facebook: zilmamisty@hotmail.com ou Misty Sousa Guarani-Kaiowá
    Moro em Teresina, por isso não pude ir vê-la pessoalmente, mas a amei desde o primeiro instante!
    Abraços,
    Misty,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelas palavras, minha querida!
      De coração.
      E que bom saber que a pequena Pietra conquistou -mesmo à distância- tantos amores sinceros.
      Beijo grande.

      Excluir
  2. É a minha irmã, muito obrigado pelas palavras. Faz um ano hoje que isso aconteceu, estou procurando algumas informações sobre!
    Muito obrigado pelas lindas palavras, me emocionei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Victor, não sabia que ela possuía outro irmão. Que boa notícia! Com o tempo, soube que ela moraria com a avó. De qualquer forma, obrigado pela presença e participação. Fiz a postagem com o coração na mão. Mande lembranças à pequena Pietra. Que Deus os abençoe.
      Grande abraço!

      Excluir