3 de mai de 2012

Querer bem... Será que é amor?


Amar é acima de tudo querer bem.
Pensar sempre que o ser amado tem prioridade em ser feliz,
Diante da nossa própria felicidade.
É saber brincar entre a ilusão de um sonho e a dureza da realidade.
Divertir-se em dividir-se sem se machucar.
É não desejar ancorar nosso querer em alguém como peso.
Pelo contrário, é liberar as amarras e soltar o navio,
No oceano da vida.
Amar é libertar.
Sempre.
...
Deve ser por isso que quase ninguém pode dizer que ama.
Que querer bem é quase sempre relativo, condicional e conveniente.
Que sempre se machuca quando se tenta se divertir ao se dividir.
Que vira encosto, de tão pesado que faz do seu dito amor.
Que não só amarra como também afunda o navio.
E é por egoísmo e incompreensão do que é amor, que amar mesmo, de verdade, é tão difícil.

7 comentários:

  1. Se há dúvida, relaxe: não era amor. Descobri através de terceiros que ama-se 'apesar de ', ou seja, é um exercício contante da incondicionalidade. Não é para mim algo fácil,queria saber se, com tempo, isso melhora... Saberia me dizer?

    ResponderExcluir
  2. Roberta, minha querida!
    Espero que sim, né! rs
    Afinal, a gente tem que aprender a viver melhor, e isso inclui saber amar de verdade, sem condicionalidade.
    Só sei que não dá pra exigir ser amado por amar. Mas vai praticar isso...
    Beijão!

    ResponderExcluir
  3. Ao amar, pode-se conformar-se com todo o resto. Talvez conformismo não seja a palavra correta e sim, empatia... E melhor entendimento do mundo.
    Esse querer bem, falso amor, é egoísmo.
    Me lembrou a frase:
    "Amo a liberdade, por isso deixo as coisas que amo livres.
    Se voltarem, é porque as possuí, se não voltarem, é porque nunca as tive."
    Não sei a autoria, já ouvi que é provérbio chinês, Bob Marley e John Lennon. rs

    ResponderExcluir
  4. Verdade, Gláucia...
    Empatia é a base de todo querer bem sincero. Colocar-se no lugar do outro e perceber o que o faz feliz, o que o faz triste. Quem encontrar, através da empatia, a afinidade, liberta. E quer bem, livre de exigir retorno. Mas ainda assim, não deixa de ser algo estranho pra quem sempre viveu meio equivocado.
    O pensamento sobre "amar a liberdade..." eu já ouvi também. E não é à toa que tem tantos "autores".rs
    Abração, querida!

    ResponderExcluir
  5. Difícil mesmo, moço carioca.
    Talvez até pq seja um aprendizado constante.

    Beijos!

    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, moça de minas...
      Eu mesmo tenho me esforçado bastante. Mas acho que dependendo de quem está do outro lado, também ajuda...
      Por mais que aí se perca um pouco o mérito do aprendizado, né...rs

      Beijos!

      Excluir