22 de mai de 2012

Das incertezas que me consomem


Eu, nessa idade, ainda vivo temendo a sombra da incerteza.
"Que se dá?"
"Que há?"
"Que se pode fazer?"
"Que se deve fazer?"
Vou seguindo, fazendo... com o pouco do que sinto e sei.
E sei que apesar desse temor, a incerteza tem seu sabor, seu atrativo.
No frio na barriga, certo prazer.
O amanhã da incerteza é a certeza, e ela trará as delícias das revelações.
Ou o amargor das frustrações.
Faz parte da vida.
Prova que isso não tem nada a ver com a idade...
E certo que pra muitas coisas, até na véspera da minha partida, eu ainda me consumirei de incertezas.

6 comentários:

  1. Me fez lembrar de um trecho de uma música. Diz assim "então me diz qual é a graça de já saber o fim da estrada, quando se parte rumo ao nada".

    O imprevisível tem seu gosto sim. É sempre bom se surpreender, caso contrário a vida seria um tédio!

    Beijooo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Monie...
      E o engraçado é que a gente reclama das incertezas e do imprevisível só considerando as possíveis frustrações, porquê já prevemos que não sabemos dosar as expectativas.
      O ser humano é o bicho mais ingrato, pessimista e insatisfeito que existe...rs

      Beijocas!

      Excluir
  2. E viva as nossas incertezas, combustível para nosso aprendizado.
    Saudades, beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...E tempero da nossas futuras experiências, Dai!
      Saudades de você também.
      Beijos!

      Excluir
  3. Seria tudo muito sem graça se perdêssemos esse frio na barriga!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, Iole! Mas existem os que desejam tudo às claras. Neles, o medo de uma possível derrota é maior que a possibilidade de uma vitória.

      Excluir