25 de mai de 2012

Penso por mim, logo existo mais



Pra que vou defender minhas certezas?
Se são certezas mesmo, minhas, bastam a mim, certo?
Essa coisa de ficar querendo convencer os outros...
É conduta incoerente,
É falta de convicção própria.
E também falta de ter mais o que fazer...
Se eu já conquistei a razão que queria,
Não preciso da confirmação de mais ninguém.
E ponto.

Tô chatão hoje...
Eu, faz tempo, decidi que não entro mais em grupos de discussão.
Até que eu curtia, sabe... Ter argumentos pra confrontar assuntos que eu tinha certeza que estavam sendo levados de maneira equívoca. Mas depois de tanto me estressar -visto que nesse meio geralmente todo mundo quer apenas a capitulação pela agressão verbal e o envaidecimento- larguei de mão. Convencer pela razão sempre ficava em segundo plano, visto que "todos as detém"...
Quero isso pra mim não.
Cansei de ver gente se agredindo em filosofias vãs, ofensas disfarçadas de intelectualidade, lutando por migalhas de reconhecimento alheio... Tudo por uma vaidade inútil, que só serve pra alimentar segundos de ilusão e orgulho besta.
O mais triste é que quase nenhum dos que vi até hoje, se permite pensar por disposição própria e coragem. Sempre observava os mais ferrenhos se apegando a pensamentos de terceiros, cheios de pompa e quase sempre sem realmente entenderem o que os fundadores dos tais pensamentos queriam dizer. (Hoje tá cheio de "feminista" por aí que acha que feminismo é poder fazer o que der na telha...)
O grande lance deles é ficar escondido na sombra dos "pensadores consagrados". Teóricos tão limitados que todos paravam suas ideias no agora, no aqui e na morte. Todos pessimistas, frios, perdidos, desesperados... Muitos até insanos de tanto pensar errado. Mas por palavras garbosas até hoje atraem muitos seguidores... E eu me via muitas das vezes rindo e lamentando a cada vez, a cada um que se apresentava com defensor de "nadas"...
Nietzsche, Marx, Schopenhauer, Freud, Jung... e mais uma dúzia deles: me desculpem os que só veem razão no que eles diziam, pois têm a visão tão limitada quanto suas conclusões...
Rótulos, rótulos, rótulos... "Sou marxista", "sou positivista", "defendo esta linha de pensamento", "cético", "agnóstico", "Einstein era ateu", "porque a igreja está certa", "porque a igreja está errada"... Tá, mas e aí? Aonde vai essa conversa? E a prática da vida? "Ah, é algo paralelo ao que eu discuto"... Tudo inútil. No fundo, tudo um bando de materialistas orgulhosos, fanfarrões ditos corajosos, metidos à fundamentalistas intelectualizados, falsos práticos e objetivos, que no primeiro solavanco da vida, muitas das vezes, se entregam, se matam literalmente... (e outros ainda vão dizer que tiveram coragem pra isso...)
E o pior é que hoje, o tempo vai evoluindo, muitas de suas teorias -religiosas, filosóficas e morais- vão caindo por terra, mas ainda tem muita gente caindo junto deles, se enterrando até o pescoço, por uma miséria de razão que nem mais compensa o sacrifício...
Convicção não se consegue por imposição alguma. É conquista que leva tempo e interesse real. Portanto, é impossível convencer alguém de algo que não se quer admitir. É como querer fazer um cego por opção enxergar à força. Só vai inflamar mais a vaidade e solidificar a postura aguerrida.
Será uma ignorância maior que desconhecer qualquer assunto...
...
Essa coisa de convencer alguém sobre uma certeza nossa, vale também praquelas situações em que a gente quer porquê quer que o outro reconheça a nossa ideia, a nossa conduta. Parece que só com o reconhecimento alheio é que a gente sossega, e que só assim é que as nossas coisas ganham valor!
Então, veja bem: se nem você -que defende a tal ideia, ou postura, ou seja lá o que for- se basta na convicção e tem que arrastar alguém contigo pra fazê-la valer alguma coisa... é porque provavelmente ela é nem tão firme assim.

4 comentários:

  1. Que desabafo! rs

    Eis aqui o que acho... Muitos que se dizem pensadores, hoje em dia, só seguem tendencias e acabam se rotulando demais. Não deixam espaços pra pensar por si mesmos - apenas seguem cegamente aquilo que alguém citou.

    É como você disse... Por exemplo, ou tem os que são "contra" Deus e religião ou os que são "a favor" - os que mais me fazem rir são aqueles embasados naquelas frases de impacto ou em argumentos de facebook (haha).

    Nesse mundo de certezas e convicções não resta espaço pra dúvidas. É tudo tão "certo" - me apavora essa certeza toda.

    Gostei do texto, é bem verdadeiro e convincente.
    Beijo, beijo!

    ResponderExcluir
  2. Monique, nem me fale...rs
    Observar isso é muito triste, porquê está todo mundo cada vez mais pensando coisas já mastigadas. Tanto que quando chega uma algo novo -mesmo que sem sentido- é imediatamente aceito, por falta de raciocínio. Pensar é exercício. Pensar é buscar a razão primeiro pra agir em seguida.
    Fora que discutir certos assuntos é pura perda de energia e tempo. Se bem que muita gente curte ficar polindo a própria vaidade pela vida toda...

    Beijão, querida!
    (Só você pra ler esse texto chato inteiro... e comentar com noção! rs Obrigado!)

    ResponderExcluir
  3. O mais legal é quando na academia você discorda do autor que o professor mandou estudar... Sempre tem um colega de classe que vai te olhar feio e reclamar da sua atitude!

    (Desabafo também, pois ocorreu recentemente isso comigo!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Iole... Mais uma vez, a prova de que comer sempre comida mastigada também vicia...rs

      Obrigado por aparecer e aturar esse post!rs

      Excluir