22 de set de 2011

E Chegou o Momento...

O frio na barriga,
O embrulhar do estômago,
O mal estar inexplicável,
Por fim, perda total de apetite.

A vertigem ao olhar,
O desvio covarde dos olhos,
O não crer no ver,
Até a surpresa ao constatar.

O acalento ao ouvir,
O nó na garganta,
O emudecer tímido,
Para então gaguejar ao revelar.

O arrepiar dos braços,
O aquecer do pescoço,
Enrubescer das faces,
Até suar gelado na fronte.

As noites de insônia,
Os sonhos acordados,
Os sonhos dormidos,
Para o despertar do humor.

O magnetismo irresistível,
O aguardar da oportunidade,
O melhor instante de aproximar,
Até o inacreditável momento.

A admiração constante,
Acarinhar a qualquer custo,
Dos abraços respeitosos,
Aos beijos atrapalhados.

A impaciência da espera,
A ansiedade da chegada,
A dor da despedida,
E por fim, a tristeza da distância.

As expectativas mais otimistas,
Os compromissos prioritários,
Dos milhares de planos,
Às juras eternas.

A inocência das descobertas singelas,
A simplicidade dos desejos,
O respeito supremo,
Até o amor incorruptível.
...
É um amor com todo frescor das almas joviais.
Não seria nada de estranho, se ambos não tivessem mais de sessenta anos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário