6 de jan de 2011

Os verdadeiros bons não são covardes... nem falsos rebelados

É fácil ser um monge longe do mundo... Sem influências e sem contatos externos, até o mais bruto pode ser considerado santo. Apenas por falta de oportunidades, não se mostrará como é na verdade...
Mas é justamente no atrito que as pedras dos rios se tornam cascalhos sem arestas, sem quinas. E assim seguem até que um dia, passam a acompanhar o curso das águas. Tão diluídos quanto micro-grãos de areia, flutuando quase fluídicos, essência mineral, em busca do desague derradeiro no oceano sublime da vida.
E é assim com todo mundo. Quem muito foge dos riscos do convívio e se isola, traz na alma mais orgulho que introspecção. Não admite muita das vezes, qualquer traço mínimo de disciplina alheia. Assim, segue intolerante e radical. Resultado: o embrutecimento. Como consequências, pode tornar-se ainda mais egoísta e orgulhoso do que todos nós já somos por natureza...
Mas até quando lhe será possível bancar tais ilusões? Qual certeza que pode ter do amanhã? Até quando seu animal de estimação lhe servirá de companhia e consolo solidário? Se necessário pedir ajudar, decidirá por morrer sozinho em seu trono de vaidades?
........
Finalizo dizendo que só falo sobre esse assunto por absoluto conhecimento de causa (própria)...
..........................................................

"-Quem estiver sob o domínio de pessoas energéticas e endurecidas na disciplina, excelentes resultados conseguirá recolher se souber e puder aproveitar-lhes a aspereza, inspirando-se na madeira bruta o contato da plaina benfeitora. Abençoada seja a mão que educa e corrige, mas bem-aventurado seja aquele que se deixa aperfeiçoar ao seu toque de renovação e aprimoramento, porque os mestres do seu mundo sempre reclamam a lição de outros mestres, mas a obra do bem, quando realizada para todos, permanece eternamente."
(do livro "Jesus no Lar", de Neio Lúcio, psicografia de Francisco Cândido Xavier - Editora FEB)

3 comentários:

  1. Os verdadeiros bons,sabem respeitar qualquer pessoa, inclusive as crianças, educando as com AMOR E RESPEITO.Por que as pessoas que crescem sem amor ficam pessoas frias e duras onde em cada lugar que passa so deixa magoa e tristeza, nao consegue fazer boas amizades são pessoas que se isolam do mundo pois é dificil ser amigo de uma pessoa que NUNCA sorri e nunca esta feliz com nada.ESSA FORMA GROSSEIRA DE EDUCAR, ONDE VC NAO PRECISA DAR AMOR E RESPEITAR PODE SER OTIMA MESMO PRA CRIAR PIT BULLS E OUTROS ANIMAIS FEROSES. SE UM DIA VC ENTENDER A BIBLIA, VC VAI SABER QUE DEUS É AMOR E O AMOR É A BASE PARA TUDO. BOA SORTE

    ResponderExcluir
  2. Te digo que certamente, no dia em houver uma melhor interpretação/compreensão dos textos bíblicos -e de outros textos menos 'relevantes'- as pessoas vão finalmente entender a importância da bíblia e principalmente dos ensinamentos de Jesus, para então utilizá-los em proveito próprio e não dos outros, como se já estivessem isentas de seus compromissos morais pessoais...
    Visto que só Jesus dava exemplo de vida e sabia exatamente o que se passava no coração de todos os que cruzavam seu caminho. De resto, ninguém mais sabe de nada e tudo vira mera especulação e julgamento ineficiente. Pregar a palavra do Cristo é o mais simples, compreendê-la corretamente é trabalhoso e vivenciá-la é a maior dificuldade humana.
    Estamos todos no mesmo barco.
    Os conceitos de 'boas amizades' e de 'amor' são muito relativos a cada pessoa, de acordo com sua evolução e experiência de vida.
    Fiquemos com Deus e com nossas dificuldades.
    ..........................
    “Vós, os fariseus, limpais o exterior do copo e do prato, mas o vosso interior está cheio de rapina e maldade. Loucos! O que fez o exterior não fez também o interior?” ( Lc 11:39 -40).

    ResponderExcluir
  3. Fanatismo: estado de fervor excessivo, irracional e persistente.
    Características: agressividade, preconceito, estreiteza mental, credulidade cega excessiva, incredulidade absoluta contrária, ódio, subversão de valores, individualismo intenso, obsessão, extremismo e fixação.

    ResponderExcluir