12 de jan de 2011

Bilhete: 'O Admirador Secreto'


"Sabes...
Tu tens uma beleza tão peculiar que nunca consegui escrever nada que valesse à pena. Sempre rodeei em volta sem alcançar jamais o objetivo.
Só sei que és linda.
Mas cansado de admirar-te em silêncio, decidi tentar um jeito de te mostrar o quanto sou observador atento dos teus belos detalhes.
Talvez, seja mais difícil ainda por saber que teu interior é tão ou mais belo que esse teu exterior de flor. De longe, eu sei que é... E é nisso que me confundo e me embaraço. Pois que se tua aparência é imbatível, como dizer então que teu coração é tão perfeito quanto?
Listar detalhes como a cor dos teus cabelos, a luz dos teus olhos e a incandescência do teu sorriso, são coisas que qualquer um pode fazer... e com descrições muito mais poéticas que as minhas.
Não é isso o que eu queria fazer...
Mas então como resolver essa agonia que me segue como obsessão: a necessidade de colocar no papel toda tua doçura?... não pra me convencer, mas pra comprovar a ti mesma da tua sublimidade. Justamente tu -logo tu!- que por vezes és tão insegura...
E mais uma vez estou aqui, tentando deixar de ser óbvio, enquanto escrevo em círculos, sem mais uma vez chegar a lugar algum... Eu sabia que ia dar nisso!
Só sei que teu coração é o que me faz tentar ser cada dia melhor, nas segundas intenções de estar sempre à tua altura. Já que meu coração só estará completamente feliz quando bater no ritmo do teu...
Que tuas idéias são o equilíbrio entre o sentir e o pensar, na maior exatidão possível. E que por isso mesmo, te conduzem com tanta responsabilidade, bom-senso e delicadeza. Sim, o mundo pouco se apercebe da tua grandiosidade, mas eu me dou conta disso tudo...
Que tua boca é motivo de todas as minhas tentativas de te fazer sorrir e desejar teus beijos, infinitamente. Pois que dividir o ar que respiras é a loucura de possuir por inspirações breves, o que antes esteve em ti.
Que o que se faz som delicado, é muito mais que mera voz tua... Me é canção mesmo quando não cantas e me é alegria mesmo quando não estás tão feliz.
Que teus cabelos atraem-me os olhos e as mãos em afagos que na verdade, não muito mais recebidos que dados. É isso mesmo: são tuas madeixas que me acariciam as mãos.
Que teus olhos são totalmente dignos do desejo dos meus, que por sua vez, ficam a desejar diante dos teus. E que cego é meu olhar, sem a luz do teu.
Que o perfume da tua pele é perfume de flor desconhecida, única e soberba. E que qualquer outro perfume que uses sobre o teu natural, é disfarce inútil, porquê sempre falta a tua vibração.
Que tuas mãos não são simples mãos: são o próprio carinho em forma e textura. E que de tão suaves e firmes, tomam as minhas como rédeas dóceis.
Que tua pele macia é o veludo dos meus sonhos: aquece no frio e refresca no calor. E que teu arrepio é também tua confissão e minha felicidade.
Que a beleza do teu corpo é a causa por eu tanto querer-te ter em meus braços, por desejo, todo dia. E que são formas e curvas, vãos e brechas, que fazem me perder todas as estribeiras, feliz.
Sentir o toque, o gosto e o perfume, ver, ouvir... e pressentir a ti.
É o que quero pra sempre.
Enfim, inútil é tentar exemplificar tua beleza sem estar dentro de mim mesmo, sem ser pelos meus próprios sentidos para justificar o que sinto com tanto ardor. Então, um dia, quem sabe?"

2 comentários: