30 de dez de 2010

Ano novo... só muda o número?


Mais uma ano que termina, e outro vem imediatamente sem dó nem piedade do velho.
Novo? Seria mesmo o fim e o início de um ciclo de vida?
O fato é que precisamos de medidas. De peso, de tamanho, de tempo. E medidas são escalas, são limites. Nossa vida precisa de medidas justamente por ser limitada a um 'fim'.
Infância, juventude, maturidade (?), velhice... São também vencimentos. Sejam de contas, de prazos de validade, de conceitos, de atitudes. Verdade que é preciso estar em dia: com as contas e com as idéias.
Acho que só isso mesmo é que pode dar uma utilidade maior aos tais 'ciclos'.
Eu não faço mais promessas, não me engano mais. Tento... Chega de empurrar tudo pro dia seguinte, pra próxima segunda, pro próximo ano... Não vou mais pressionar o pobre do tempo com minha inércia de hoje.
Que esperança mais falsa, acreditar numa mudança do dia pra noite, numa iniciativa de transformação milagrosa... E que de tão milagroso, disseram também que o tempo cura ou cicatriza certos males. Mas sinto que nem todos... Aqui dentro da minha alma, o tempo é inteiro e ignora a obsolência do corpo, que se decai incessante e impiedosamente.
Conformismo? Acomodação? Complacência? Compreensão? Tranquilidade? Satisfação?
De tudo, um pouco. Ou de nada, muito. E nisso, vai tempo. Vai não! Corre tempo.
Difícil imaginar como seria viver sem contá-lo, quando praticamente tudo que nos cerca depende dele. Quem espera, quem busca, quem entrega... todos precisam do tempo.
Não estou de mau humor. Não estou triste por ele... apesar da sua escassez e do seu curto espaço. Estou apenas evitando criar falsas perspectivas e, consequentemente, novas expectativas. É apenas... tempo.
Confesso que não gosto de observá-lo escapando pelos dedos, sem controle. Mas o que há de se fazer? 'Apenas aproveitá-lo enquanto não finda', eu mesmo diria.
Mas como?
Posso dizer pra mim que 'certamente, fazendo tudo o que não faço de útil durante meu tempo'.
Não dizem que em apenas 20% do nosso tempo, produzimos 80% de tudo que fazemos?
E que nos 80% dele, fazemos apenas 20%? É por aí...
Não é que ter tempo seja sinônimo de baixa produção/qualidade... mas dá a falsa impressão de que teremos tempo pra tudo. Nisso a gente se ferra...
É por isso mesmo que eu prefiro ser exigido, ser pressionado sob prazos apertados, correr como o tempo corre. É nessa hora que eu rendo mais e aproveito todos os minutos e segundos.
Tempo... quando temos, perdemos.
Sei que nessa história, vagueei nessa última madrugada do ano velho e não disse nada com nada... E eu nem bebi -ainda.
Enquanto isso, o tempo passa irremediável... lá fora e aqui dentro. Queria mesmo que o tempo me ajudasse a superar momentos ruins que me forcei passar em outros tempos. Mas aí, talvez, fosse pedir demais a ele...

....................................................................
Pra finalizar o último post do ano, uma crônica muito legal, que assisti o grande ator e humorista Nelson Freitas recitando dia desses...

"Quer saber o valor de UM ANO?
Pergunte ao aluno repetente.
Quer saber o valor de UM MÊS?
Pergunte à mãe que teve seu filho prematuro.
Quer saber o valor de UMA SEMANA?
Pergunte ao editor de uma revista semanal.
Quer saber o valor de UMA HORA?
Pergunte aos namorados apaixonados que aguardam um encontro.
Quer saber o valor de UM MINUTO?
Pergunte a quem acaba de perder sua condução para ir ao trabalho.
Quer saber o valor de UM MILÉSIMO DE SEGUNDO?
Pergunte ao atleta que obteve medalha de prata.

Valorize cada momento que você tem. E valorize-o ainda mais porque você
deve sempre dividir tudo com alguém especial...

Lembre-se: O relógio está correndo... e não há volta!

ONTEM...é uma história;
AMANHÃ... é um mistério;
E HOJE... é uma dádiva de Deus, por isso se chama PRESENTE."

........................................................
Um bom ano novo a todos os três leitores diários desse blog... de coração.
Saúde, paz, luz, alguma reflexão e muita transformação no próximo ano.

2 comentários:

  1. Leitora uma se apresentando! \o/( Será que pulei a ordem de alguém?):)

    Sobre o texto, gosto ( mais que gostar, acho necessário) da análise de nossas ações ( e omissões)- qdo avaliamos o ano velho, estamos olhando para trás procurando entender as experiências que tivemos, os caminhos que nossas escolhas nos levaram, e as lições que aprendermos em cada situação, e se faz necessário um balanço individual, uma tentativa de traçar metas, refazer/adequar planos... Autoavaliação é uma escolha que deve ser diária, mas, a questão simbólica da contagem do tempo ( o fim de um ciclo) é para mim bastante poética, não ocorre o mesmo com você? :)


    Em tempo: O que eu desejo para todos nós é SABEDORIA. Que todos nós saibamos transformar tudo em uma "boa experiência".- Feliz nova chance :)

    ResponderExcluir
  2. Verdade, querida... afinal, se temos um novo dia todo dia, deve ser também para que tentemos novamente. Uma nova chance.
    Mas o mais engraçado é que a gente vê tanto o pessoal fazendo promessa de ano novo, carregando patuás da época pelo ano inteiro, pulando ondas, fazendo mandinga...rs
    Ninguém leva a promessa a sério e acaba deixando tudo por conta da 'sorte'...rsrsrs
    ...........
    Sabedoria e sentimento: a chave de tudo na vida.
    Boas novas chances pra todos nós, leitora nº1...

    ResponderExcluir