25 de out de 2010

Só questionamentos...


Como é que posso mudar esse momento?
Como deixar de arrastar essas correntes -que eu mesmo faço questão de manter como lembrança sofrida e merecida?
Não haveria uma esperança de que as coisas se resolvessem? De que a porta se abrisse... mesmo que no último segundo?
O que fazer pra te segurar enquanto você ainda não se encontra ao meu alcance?
É possível evitar o pior mesmo depois de tantos erros? Será que você ainda vai acreditar em mim?
Terei soluções ou apenas questões?
Vai te bastar assistir o incômodo que sinto com as mãos praticamente atadas?
Até quando andar em círculos atrás de uma resposta pra que me liberte na sua direção?
Quais as garantias de que nem 'tudo' é só o que me resta?
Será que isso é me autoflagelar com o passado? Será então o vício do peso cativo do tropeço?
Seria o teu silêncio consentimento ou desistência?
O que posso querer além do desejo de estar perto de você?
Aliás, pra quê querer outra coisa?
Com o que me contentar: seu sorriso frio ou seu olhar vazio?
Poderia me ajudar a me encontrar na sua vida?

Nenhum comentário:

Postar um comentário