26 de out de 2010

Como veio, vai... (futuro ou passado?)


Não vou dizer que isso se trate de um caso perdido...
Mas talvez pode ser que sobre apenas o lamento do que não aconteceu.
É mesmo pra se lamentar, já que parecia tão promissor, tão rentável de expectativas (minhas)...
Mas se não der, vida que segue.
Não será só um lado que vai conseguir vencer tantos obstáculos.
Muito menos usar meia dúzia de palavras... por mais que bem escolhidas.
E haja balcão de bar pra 'curar' o buraco no peito...
Bebidas fortes pra anestesiar o ardor do arrependimento, num alívio ilusório...
Tudo na previsão da solidão... e de um 'sentimentozinho qualquer' perdido.
Tudo inútil... nada vai adiantar.
De que vale correr atrás do que se perdeu de vista?
Qualquer um sabe disso, mas a gente ainda insiste nesse engano.
Não quero nem estar perto (de mim) pra ver tamanha dor...
Como serão os dias e as noites então?
Certo que os dias serão recheados de ventos 'marasmiados'...
E as noites... friorentas, mesmo sob grossos edredons.
O suco vai exigir o dobro de açúcar pra ficar doce...
A comida, muitas pitadas de sal pra ter algum gosto...
Bem que dizem que certos sentimentos fazem mal pra saúde...
E a falta deles, muito mais.
Mas é aquilo: ainda sobram algumas folhas em branco no caderno... ainda dá pra escrever um poema...

Lembre-se porém:
Que cada dia que passa, é uma folha gasta...
Acumulando rascunhos de versos qualquer numa pasta.
E que um traço é perdido a cada segundo.
Pode não parecer nada, mas será um amor a menos no mundo.
A porta desse coração ainda não se fechou...
Por enquanto, olhando daqui, digamos que apenas se estreitou...
Mas uma hora ela fecha, e isso acontecendo, forçá-la será em vão.
Será folha virada... de modo que uma vez passada, passado será então.

Nenhum comentário:

Postar um comentário