28 de set de 2010

O passado e essa dor infinita


Olhar você, ver seus olhos infelizes, de recomeço sofrido -e com raiva, e sentir a indiferença que me direciona é a maior dor do mundo.
Não sei como não coloquei isso na balança quando destruí seu mundo. Agora é tarde demais. Me resta sofrer cada pedaço dessa dor. Dor essa que atinge muito mais que a pele ou os ossos.
Dor que vara a alma em todas as direções.
Dor que se estilhaça infinitamente em partículas que dão origens à outros estilhaços de dor.
Decepcionei-te? Decepcionei-me muito mais... eis minha dor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário