28 de set de 2010

Mestre...


Meu coração é bicho selvagem
Seu instinto supera-me a razão
Segue caminhos rudes e sofridos na miragem
E mesmo no calor do fogo, padece à escuridão

Toma as rédeas dele, me ensina a adestrá-lo
Doma-o e o traz de volta ao rumo eterno e certo
Às paragens da segurança e da confiança, por assim guiá-lo
Na noite do meu interior, mantem-me sempre desperto

Ele bate e se abate no momento pior
Te imploro: me ajuda mesmo assim!
E na minha batalha magistral e maior,
Vencer a mim mesmo antes do meu próprio fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário