24 de mar de 2010

Identifique-se

Visionário do já descoberto
Desesperado e cego na fé do futuro certo

Do próximo, poderoso e sagaz explorador
De si mesmo, mísero e incapaz desbravador

Auto-entitulado sabedor do mundo
Dos seus próprios arredores, ignorante profundo

No ócio, filósofo de nada assumido
Na atividade útil, se fazendo sempre de esquecido

Atento ao seu supérfluo? Certamente
Já no necessário do outro, ser frio, profundamente

Ouvidos ao inútil detalhe
Desapercebido do gritante entalhe

Curioso, caminha nas nuances em vão
Inquisidor e opositor do sim e do não

Sempre contraditório: seguindo a unanimidade
Vaidoso, todo prosa falando de humildade

Orgulhoso e exigindo modéstia
Rindo do doente, sem perceber-se em moléstia

Então, que pegue seu verso cada um
Pois que certamente deles somos algum...

3 comentários:

  1. O que o poeta escreve sobre si é sempre mentira. O que o poeta sente ao escrever sobre si é o que há de verdadeiro. Não é o que passamos ao outro quando escrevemos que nos mantém escrevendo, e sim o que passamos a nós mesmos. O outro é apenas expectador dos nossos conflitos internos. O que sente quando floreia sentimentos e percepções sobre si mesmo?

    ResponderExcluir
  2. medo do que pode sair e alívio pelo que saiu.
    flávio.

    ResponderExcluir
  3. Não costumo ter medo pelo que pode sair no papel. Eu escrevo o que me afeta. Tenho mais medo do que está dentro de mim e eu não consigo colocar no papel, porque sei que é um mistério.

    ResponderExcluir