23 de jul de 2014

Medindo Valores - capítulo I


Urgentemente, precisamos aprender a medir os valores de forma adequada. Não só no supermercado, mas em tudo na vida.
Apreciar cada situação, cada circunstância, cada sentimento, com o valor devido, diminui drasticamente o estresse, a ansiedade, a expectativa, a frustração, a decepção. Ou seja, dando o devido valor, a gente sofre monstruosamente menos.
Tem pouco tempo em que fui julgado e condenado:
"-Uma semana e você já estava sorridente ao lado de outra pessoa..."
Não sou frio. Muito pelo contrário. Sou emotivo e quando meu coração é tocado, deixo logo um cisco me irritar as vistas. Mas ficar chorando por algo que só você sonhou, que acabou, que não depende de você realizar, que não funciona se insistir, é opcional.
Saiu das minhas mãos, adeus. E eu, opto sempre por não prolongar o sofrimento. Logo, dou o valor devido e me dou o tempo que acho justo.
De fato, cada um tem o seu tempo.
O meu é curto.
Ainda tem a questão da energia gasta nisso. E a minha energia vale ouro. Não posso desperdiçá-la à toa.
Pelo leite derramado, não lamento mais que o tempo de limpar o descuido.
Pelo coração partido, não sofro mais que uma semana de cicatrização. Tem data certa terminar, graças a Deus.
E tem minha natureza também: só até o olhar sentir-se buscador de novas paisagens.
Que posso fazer?
Não se recupera leite esparramado no chão.
E não se cobra ser amado por outro coração.
Quem acredita que esse tipo de cobrança funciona, pede pra sofrer dobrado.
...
"...O amor junta os pedaços
Quando um coração se quebra
Mesmo que seja de aço
Mesmo que seja de pedra
E fica tão cicatrizado
Que ninguém diz que é colado
Foi assim que fez em mim
...
Esse amor iluminado."
Iluminados, Ivan Lins

2 comentários:

  1. Oi, Flávio, tudo bem? Engraçado, hoje mesmo estava conversando com uma prima, e estávamos falando justamente de amor não correspondido. Concordei muito com uma frase em especial do seu texto: "não se cobra ser amado por outro coração". Sempre falei muito isso, amor bom é aquele que recebemos de graça, e se não for pra ser assim, pura e simplesmente amor, será que é realmente amor?
    Eu sempre com minhas filosofias confusas de teclado pra cima de você rsrs
    Beijinhos rimados :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Justamente... Tenho ouvido muita coisa assim. E a gente sabe que quem ama cuida, respeita, se faz presente, tudo junto e ao mesmo tempo... Mas também gostamos de ouvir umas mentiras e sentir o gostinho da doce ilusão.
      Filosofar é um dos maiores e mais úteis prazeres que Deus nos oferece, Vivian... Azar de quem não vê graça e nem gosta.
      Sinta-se à vontade. Sempre.
      Beijo grande no coração.

      Excluir