3 de abr de 2013

Tolera-me os descasos ou condeno-te pelo pouco caso

"Às vezes, quando digo que estou bem, quero no fundo é que não acreditem.
Que me olhem nos olhos, que me abracem apertado e que digam: eu sei que você não está bem."

Não entendo. Por que não dizer logo o que sente? Pra se passar a imagem de sensível, obstaculoso,  complexado, profundo ou o que mais?
Pra criar caso? Pra testar a capacidade de adivinhação de alguém? Seria isso fazer charme?
Relembrando mais uma vez: sou péssimo de meias-palavras, mímicas e enigmas comportamentais. Diante das indiretas, ignoro-as por completo. (Até que me provem o contrário, prefiro acreditar que jamais são direcionadas a mim).
Fala sério... Sejamos mais objetivos, maduros de fato. Utilizemos a comunicação direta. Se já acessa mínima intimidade, converse francamente.
E tem mais: transtorno bipolar orgulhoso? Rebeldia sem causa racional? TPM heavy com botão de "foda-se" travado? Mal humor, instabilidade e pessimismo frequentes? Sinceramente, que me perdoe quem carrega essa belicosidade achando que é obrigação dos outros tolerá-los infinitamente, mas não tenho a menor paciência pra esse tipo de coisa.
Tanto é verdade que a faxina desse lixo começou em mim mesmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário