21 de jan de 2013

Tramas perfeitas... se você deixar


(...) "Comparou a experiência terrestre a um tapete precioso, do qual o espírito encarnado, tecelão do próprio destino, somente conhece o lado avesso."(...)

É como se a vida fosse o mais belo tapete, ao qual nós -por incompreensão- o enxergamos sem o devido valor, responsabilizando o acaso pelos nossos próprios equívocos.

E é maravilhoso ter acesso à essa magnífica comparação estando ainda aqui, vivinho da silva!
Melhor ainda é finalmente compreendê-la na íntegra!
Sim, porquê o grande lance é não precisar ter que passar pro lado de lá pra conseguir admirar a engenharia perfeita que é a vida. Olhando tão somente daqui, no meu imediatismo, na minha incompreensão e comodidade, a vida perde muito a coerência, a justiça praticamente não existe. Mas é só parar um pouco e observar mais atentamente, pra ver que TUDO tem sentido, que TUDO segue como deve ser. Dou meu braço a torcer e assino embaixo se precisar.
Não, isso não significa que -por conseguir olhar o lado belo do tapete- as coisas venham a ser facilitadas. Muito pelo contrário, nem um pouco! Se quiser moleza, não venha pra vida, amigo...
Mas é fato comprovado que ter essa visão "privilegiada" dá uma turbinada boa na caminhada. Na minha, pelo menos, me traz estímulo, me reforça o ânimo, a esperança. E isto, neste momento, é tudo o que eu preciso pra me sentir mais tranquilo, fortalecido, melhor da cabeça, do espírito e do corpo.
Existem instantes que é como se eu fosse capaz de resolver praticamente todos os problemas que me aparecerem pela frente, de servir, de realmente ser útil, objetivo, funcional. São coisas que me realizam.
Sei que na verdade sou capaz de muito pouco, mas só de me perceber parte integrante do mecanismo perfeito da vida, já me tranquiliza demais. Fazer a minha parte e ter certeza absoluta de que algo superior compensa minhas incapacidades humanas e cobre a retaguarda dos meus pequenos avanços é, no mínimo, reconfortante. É realmente coisa de pai zeloso, observando de muito perto os passos inseguros do filho. Lamento quem assim ainda não consegue perceber a vida.
Não sei se vou conseguir me fazer compreender, mas o exemplo é como estar vivendo uma situação difícil - daquelas que aparentam estar nas horas cruciais- e, no tempo exato, testemunhar a "conta" se fechar com  precisão sobre-humana. Isto é absolutamente maravilhoso. Obra de um "acaso" inteligentemente cirúrgico, claro...
Quando há esforço ao máximo, com boa vontade, com dedicação, com amor, e sem lamúria, basta relaxar. O desespero é sempre inútil e causa uma confusão desnecessária, uma precipitação, que minimamente será um ponto mal trançado no meio do tapete, percebido geralmente só lá na frente... e com lamento. (Preciso será um dia refazê-lo, mesmo que ao custo de desmanchar parte do que já foi feito.)
Por outro lado, achamos mesmo que vamos conseguir fazer da vida um caminho tranquilo e previsível? É ruim, heim...
Prepare-se pras instabilidades, pra ser chamado constantemente à novas responsabilidades e preocupações. Não é praga, não é carma, mas é que a vida definitivamente não aceita ser subestimada como uma reserva na melhor pousada do litoral. Se for pra seguir por um caminho adverso, ela arrasta mesmo. Pode espernear, pode relutar, que não tem jeito. 
Então parei mesmo de viver ao sabor do planos perfeitos, das estradas lisinhas, dos desejos quase sempre mal desejados. A vida e seus objetivos estão muito longe dessa superficialidade como a qual a encaramos.
E digo mais: quem consegue te convencer que é um bon vivant, não sabe ainda que as dívidas adiadas são  moratórias, porém irrevogáveis. Do tempo, dos bens, da saúde, da paz... de TUDO nos será necessário prestar conta rigorosa em algum momento.

Melhor então é seguir como o riacho que nasce tranquilo,
que respeita o limite das margens,
que arredonda pacientemente os cascalhos encontrados pelo caminho,
que encontrar outros riachos pelo curso,
enquanto carrega vida em seu colo.
Até que chega a hora de desaguar em vigorosa confiança nos braços do mar.
...
Não pretendo mais me confundir com as tramas do meu tapete!
O negócio é correr atrás até onde der e confiar as minhas incapacidades nas mão de quem pode fazer mais.
É projeto de vida que me forçarei cumprir a partir deste ano.
Sem dúvida é o meu plano mais exigente dos últimos tempos.
...
Em tempo, o trecho brilhante do início da postagem é de André Luis, na obra "Sexo e Destino", psicografia de Chico Xavier.

Nenhum comentário:

Postar um comentário