24 de jun de 2012

Queremos mesmo resolver as coisas?


Um tempo sem escrever, vivendo algumas coisas aí fora, buscando novas perspectivas, dosando as expectativas... Naquela corda bamba de sempre que é a vida.
Mas eis que essa semana, parece que todo mundo resolveu passar pelas mesmas incertezas... Amigos revivendo situações que pensavam já fazer parte do passado, tudo por conta de coisas pouco, mal ou não resolvidas.
E o tempo, como já descobri, não resolve problemas que apareceram para nós resolvermos, quando nós participamos da sua origem. No máximo, o tempo cicatriza algumas feridas, balsamiza um pouco as dores, distancia lembranças, revela verdades... Mas no fundo, isso não é resolver coisa alguma, por mais que muitas das vezes, basta-nos sobreviver pra pensar que tudo passou.
Percebo que às vezes, encarar o confronto, o atrito, de forma definitiva, por algo que nos incomode muito, pareça ser mais doloroso que empurrar tudo pra baixo do tapete e acreditar que o tempo vai resolver tudo magicamente. Mas não é não. Porquê é uma dor que apesar de intensa, poderá ser sentida menos vezes. Enquanto que escondendo tudo, um dia, o montante, mesmo coberto, vai ficar tão evidente que será impossível ignorá-lo. E sempre que a vista passar por aquele canto, vai fazer a memória buscar mais um vez aquele momento, aquela situação... e vamos mais uma vez ressentir, tantas vezes quanto forem necessárias, até resolvermos a questão de uma vez por todas.
E noutras oportunidades, a gente prefere mesmo não encarar os fatos, não definir uma situação... porquê simplesmente nos afastando, não precisamos fechar a porta. Pelo contrário, continuamos alimentando monstros sob o tapete... Por gosto (?) ou porque a gente segue tendo esperança de que um dia vamos conseguir fazer da maneira certa aquilo que nunca deu e nem vai dar certo. Pensamos ter chegado tão perto da felicidade, do prazer, da realização de um sonho... que mesmo quando tudo dá pra trás, emperramos nessa sensação do "quase". E que se deixar, dura quase que pra sempre...
...
Queria eu resolver aquilo que já não me cabe mais.
Sabe quando você faz algumas coisas que não têm mais volta? Coisas que o tempo, por mais longo que seja, no máximo distancie as lembranças... Mas não tem jeito. É como se a pessoa por quem eu devia a minha vida, morreu de desgosto pela minha traição. Como resolver isso? Que fazer com essa sensação, entende?
...
Infelizmente vejo meus queridos delegando ao tempo praticamente tudo, como se ele fosse uma ferramenta milagrosa, capaz de se responsabilizar pelas nossas responsabilidades. A gente pode antecipar as resoluções dos problemas sim. E findar as dores deles provenientes.
E seguem eles, iludidos, fugindo do inevitável que sempre tentam evitar. Fugindo do ressentimento, fugindo daquilo que mal sabem se querem mesmo fugir.
...
Só queria ressentir coisas boas. E se tiver que ressentir o que não foi bom, que seja o menos possível... encarando e resolvendo de uma vez. Ou mesmo assumindo que não quero resolver... Que seja!

6 comentários:

  1. É complicado....
    Há de se ter uma boa dose de autoconhecimento, um encontro consigo mesmo para se fazer uma faxina interior naquilo que fica ali guardado no canto, empoeirando a prateleira das ideias.
    Quando nos voltamos para nós mesmos e sabemos identificar nossos erros e acertos, nos tornamos pessoas melhores, creio que isso é um processo demorado, e nada simples de muitas idas e vindas. Há de se percorrer um caminho pra se chegar lá. Como dizem por aí:
    "O diamante não é senão um pedaço de carvão que lidou muito bem com o estresse".
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daizinha, adoro sua perspectiva. É tão objetiva!...
      Gosto muito de quando você dá o ar da graça e deixa o seu perfume por esse espaço cheio de pensamentos longos e maçantes. De verdade!
      Obrigado por fazer parte deste que vos fala, viu?

      Beijocas!

      Excluir
  2. Problemas com o tempo? Ele não é responsável.
    Gostei do texto e que saudade eu estava daqui, como sempre me identificando com suas palavras. Estive ausente, agora volto com o blog, te espero lá. Boa noite.

    ResponderExcluir
  3. Que bom que voltou, Jhenyffer! De verdade.
    Pois é... Tanto que o tempo não resolve os problemas que pode até torná-los monstros enormes. Mas vai de cada um querer encarar a realidade ou contar com uma mágica improvável.
    Beijocas!

    ResponderExcluir
  4. mas lendo tudo isso sei que nao estou só rs
    relaxa pra poder sonhar

    ResponderExcluir
  5. Relaxo resolvendo. E resolvendo, sonho. Deixando rolar é que não me aquieto.

    ResponderExcluir