28 de mar de 2012

Álbum de Memórias


Então que me colocaram nas mãos um grande álbum de fotos...
E lá estava eu, perdido no meio de tantas imagens. Engraçado que olhando hoje, jamais diria que já fui aquele menino correndo à grama na Quinta da Boa Vista, brincando no raso da praia do Recreio, sempre presente em momentos tão simples e familiares.
Um alto mar de lembranças batiam ao cais do meu coração...
Admirei a beleza dos meu irmãos ainda pequenos, os traços da minha fisionomia tão distante... Ninguém diria que aquele carinho de ontem se tornaria amor e que mesmo aquelas diferenças e implicâncias aparentemente insuperáveis, seriam não só superadas como respeitadas.
Não havia nos meus olhares uma mínima previsão de todas as minhas decisões futuras. Equívocos, acertos, mudança de rotas e planos... Nada se fazia prever. A vida é sempre muito incerta até que as decições se façam e os fatos consequentes se apresentem.
E lá no fim, na parte mais recente das fotos, aqueles a quem perdi por conta própria. Ali não tive coragem de permanecer o olhar por mais que um susto.
Lá também haviam sorrisos confiantes e ingênuos ao meu lado... As fotos comprovam o fato e o ato. Que dor perder!
E a alegria que me visitava no início das lembraças se esvaiu, como que fugindo de mim, acuada pela minha consciência pontiaguda.
Já fazem alguns anos, já ocorreram algumas tentativas, já acertei depois, mas ainda não consigo sorrir livremente. Aliás, por tantas vezes bate uma certeza quase absoluta de que nessa vida, isso não me será mais possível. Talvez por eu saber que são coisas sem qualquer possibilidade de solução. E não adianta ninguém chegar me dizendo que é preciso simplesmente deixar o passado pra trás, que o que se fez foi feito... Se fosse tão simples, certamente eu teria superado e também repetido o erro. Esse peso me mantém com os pés no chão, cuidadoso...
Mas voltando ao início do álbum mais uma vez, nas fotos da infância, algo igualmente cheio de certeza me ressoou na alma:
"-Calma. Siga. Confie! Você terá sempre uma nova oportunidade... de tentar, de pagar e de acertar."
E só com isso posso contar agora. É o preço justo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário