19 de ago de 2011

Longe das vistas, longe de tudo?


Quem disse que só porquê não enxergamos, sentimos ou compreendemos, as coisas não existem?
Quem disse que entre as matérias, apenas o ar ou o vácuo as separa e envolve?
Quem disse que entre o espaço e o tempo só existe a distância?
Até a ciência (tradicional e orgulhosa) já anda revendo seus conceitos diante disso...
Estamos mergulhados numa essência neutra, mais sutil que o ar, fluídica.
E por ser neutra, nós é que plasmanos nela a nossa intenção, a nossa energia, o nosso pensamento.
É assim que absolutamente tudo no universo se liga ou desliga, se comunica ou se destaca, se entrelaça ou se liberta, por uma afinidade irrecusável.
Inclusive nós dois.
Inlcusive nós todos.
Eu preciso te explicar...
Que é por isso que sei que quando aquele lamentar me toma o coração, é você do outro lado da linha, lamentando ao que te submeti um dia.
As lágrimas inexplicáveis e incontroláveis que se apresentam em mim, originaram de ti, numa recordação infeliz, por culpa minha.
E certamente aquele desejo saudoso que por vezes ainda me cerca de manhã, é fruto da sua lembrança ardente, mesmo que esta lhe apresente indesejada...
Sei que sempre retorno de alguma forma a você, e você a mim. 
É sem querer, por pensamentos, por sentimentos, por sonhos, mas principalmente pela dor.
Mantemos esse contato em razão da nossa submersão numa psicosfera recheada de emoções comuns -mesmo que tristes- que nos acorrentará por tempo indeterminado.
Sei que justamente naquela noite de Natal ou naquele aniversário -lembra?- a angústia que me alcançou com uma flecha envenenada teve você como ignição, que sofria demais com as recordações.
Certamente era você se perguntando mais uma vez 'por que' aquilo tudo aconteceu...
Sem dúvida era você questionando como é que pude te acometer e chegar àquele ponto...
Apesar de tudo isso a princípio me parecer ruim, te agradeço de coração.
Tem sido o meu freio e o meu alerta diante de novos equívocos.
Papo de doido?
Pode ser...
Mas é exatamente por isso é que sei de tudo o que se passa por aí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário