3 de mar de 2012

O show não pode parar...


Se fosse em outros tempos, eu me abateria, me desesperaria até. Mas hoje, quem permaneceu ao meu lado após a tempestade, sabe o que esperar de mim. Sabe tanto das minhas capacidades quanto dos meus limites, e me sustenta na caminhada.
E se então o que importa é a minha opinião e a de quem me é importante, o que os desconhecidos e os pouco conhecidos podem pensar ou deixar de pensar, já não me preocupa tanto.
A vida vai revelando que, como um dia a minha máscara caiu e revelou os traços de uma personalidade suja, aos poucos, esses mesmos traços, por esforço, serão mais amenos, pouco a pouco.
E sinceramente? O desejo de vingança evidencia a incapacidade de superação daquele que a busca.
Assim como o rejeitado poderia se limitar ao desamor, aquele que se tornou vítima de uma covardia, um dia poderia concluir que a consciência nunca deixa de gritar as condenações dentro do culpado. Mas tanto o rejeitado quando a vítima da covardia cruel acabam acreditando na ilusão de que pela vingança se saciarão de melhor forma. A humilhação e o ódio, são apenas frutos de seu inconformismo e obsessão.
Quem se contenta em pelo menos conquistar o ódio daquele que se finge não mais amar, está se colocando abaixo do próprio algoz. Não consegue perceber que a vingança é o recurso que lhe sobra para exigir qualquer atenção, por pura incapacidade de se amar e prosseguir.
O tempo segue, a consciência trabalha e como resultado, a vida um dia, oferece nova oportunidade de prova aos despertos. Isso basta saber para confiar.

4 comentários:

  1. Eu penso que quando alguém põe esses pensamentos à tona, já está em um nível admirável. Sim, porque apesar de relativamente simples, é algo que alguns (digo por mim rs') levam tempo, muito tempo pra aprender.

    ''Quem se contenta em pelo menos conquistar o ódio daquele que se finge não mais amar, está se colocando abaixo do próprio algoz.'' Confesso que tive de pesquisar a palavra ''algoz'', até então desconhecia kk' Mas é exatamente isso, a pessoa tenta usar as últimas migalhas para obter atenção... Não importa se é boa ou ruim, no fim o que se procura é atenção.

    Chega ser engraçado refletir sobre o comportamento humano rs'

    Até mais Flávio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thiago, só não queira aprender do jeito que eu venho aprendendo... Pois só depois de ferrar muita gente é que as coisas começaram a despertar na minha cabeça.
      Se tiver que aprender, que seja através dos erros alheios e do amor.
      Aprender pela dor não é algo que me deixe orgulhoso.
      E sobre o comportamento humano, penso sempre que a intenção real do desejo é geralmente a oposta da conduta. Quase sempre é isso...
      Abração, Thiago!

      Excluir
  2. Parece que as pessoas nos conhecem, de fato, mas insistem em fazer como se não nos conhecesse, em não saber o que sentimos de verdade ... gostaria de saber porque são assim, não entendo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Cleber, dependendo da surpresa que causamos à elas com atitudes até então desconhecidas aos seus sentidos, elas passam a acreditar realmente que não nos reconhecem mais.
      De fato, elas têm razão. Mas ninguém é tão imprevisível assim, e também tão desconhecido...
      Abração!

      Excluir