21 de nov de 2011

Será que é Orgulho? Será que é Nosso?


Não te procuro e você não me procura.
Com saudades, não nos procuramos.
Ficamos nessa guerra pra saber quem levará o prêmio de 'não ter cedido'.
Mas ambos perderemos coisa muito mais preciosa: o tempo.
E ainda por cima, recheado de oportunidades...
Estou tão certo pra mim quanto você está contigo.
E mesmo ambos sós e fracos -precisando um do outro, de um abraço ou de palavras- somos capazes de morrer em silêncio, sem dar o braço a torcer...
Sem pedir ajuda.
Será que somos conscientemente infelizes -ou inconscientemente felizes- assim?
E o mais inútil de tudo é que sempre que nos reencontramos, ninguém tem coragem de pisar no outro, de fazer trocadilhos mesquinhos sobre quem perdeu ou quem cedeu...
Então por que sempre escolhemos seguir por esse caminho?
Que sentimento é esse que nos doma como se fosse a mais pura razão, mas que não nos traz nada de útil e ainda nos tira a vitalidade?
Não sei...
Vou esperar você me procurar pra tentar descobrir...

8 comentários:

  1. Sei exatamente do que você está falando. Alias, eu sei MUITO bem ... o bendito orgulho, eu nunca fui muito de ter ... mas, certas vezes faço questão, vezes como essa que aconteceu com você, rãn!

    ResponderExcluir
  2. O orgulho a gente não precisa ter sempre.
    Ter de vez em quando já é suficiente pra nos identificarmos como orgulhosos.
    E ele é pura perda de tempo, Cleber.
    Luto todo dia contra esse que é um dos meus maiores entraves.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Dentre os meus vários defeitos não está o orgulho. Não me refiro ao orgulho bom, centrado, aquele que nos faz ter consciência do nosso valor, esse eu tenho. Falo no que trava, no que faz perder oportunidades por teimosia e amores por nada.

    Beijo, beijo.

    ResponderExcluir
  4. Luna, não ter esse orgulho já é motivo de ter o outro orgulho... e é um peso a menos.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Eu ja levei muito este trofeu de 'não ter cedido', eu era, e ainda sou um pouquinho, muito orgulhoso, já magoei alguem que mim amava muito, por nao dar o braço a torcer, por nao adimitir que tava errado e por não adimitir que no tempo que ficamos separados eu não sentir saudades.
    Eu era um grande idiota que achava que minha solidão mim bastava.

    ResponderExcluir
  6. Paulo, meu camarada...
    O pior é que a gente sabe do quanto isso só nos faz perder, mas a gente continua insistindo, achando que isso é 'ter personalidade', 'amor-próprio' e outras coisas que a gente rotula pra não dizer que é um orgulho ou uma vaidade besta.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. Pois é meu caro, e acaba magoando a quem nao se quer, só por uma merda de orgulho, eu diminui mais nao exterminei isso de mim.
    Um Abraço.


    http://paulosergioembuscadotempoperdido.blogspot.com/

    ResponderExcluir